Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Bebo Delbono (até domingo em Metastasio) diz a si mesmo: “Dar amor, uma necessidade”

18 de fevereiro de 2022-18: 36

“Quando estou no palco, acho que o que fazemos é maior do que nós. Em Florença, um muro contra minha existência”

para Catarina Roger Dragona

No canto da plataforma há uma árvore murcha, curvada pelo vento. O grito de dor Bebo Delbono reverbera entre seus galhos. Pesada observação de que depois de um grito agudo, ele permanece dentro, coração pesado, turvação do olhar, movimentos lentos. pedir ajuda. Apegar-se à peculiaridade alfa que, se fosse uma palavra grega, afastaria a morte do amor (em latim mors-mortis). Em vez disso, há o desespero do autor, ator e diretor da Ligúria Pippo Delbono em seu último show, Amore, no palco do Metastasio em Prato até domingo. Uma coprodução internacional, através do senso comum de diferentes linguagens (música, dança, poesia, literatura) e duas línguas (italiano e português), leva-nos pela mão a explorar os fios da alma humana, fazendo entramos nas dobras frágeis mais íntimas e mais íntimas. Os toques são tons tristes de fado. Compartilhando todo o seu sofrimento, Delbono pode ter chegado ao auge de sua poesia. Pelo menos até o próximo show dele. Embora “este amor / tão violento / tão frágil / tão gentil / tão desesperado” (como Prevert o descreveu) pareça uma palavra final. Parece que Pippo Delbono foi além das palavras.

O amor é um título difícil que parece anunciar a soma dos sentimentos mais fortes e sensíveis que cada um de nós experimentou, os mais singulares, a notícia, a investigação… O que você quer transmitir?


“Deite debaixo de uma árvore. Como no final do show, quando eu descanso. E eu encontro um pouco de calma.”

Por que não trazer “amor” para Florença?

“Florença é a única cidade em que trabalhei apenas uma vez. Irei ao pergolado em abril com Amos Getai. Mas acho que alguém ergueu um muro de resistência contra minha presença nos teatros de Florença. Não é o público de Florença que sempre me mostrou tanta emoção”.

Como isso mudou em relação a 2005, quando no monólogo “Contos de junho” ele falou de um amor desastroso e turbulento?

“Essa é uma outra história. Embora houvesse um menino morto até então, minha percepção do amor era muito mais otimista. Agora estou falando de um estado de espírito, uma engrenagem que assume osso, pele, corpo e vida. Para para mim, o amor também é uma doença. E o amor também pode nascer da doença”.

No diário de HIV Bravely, exibido há dez anos em Veneza, ele falou do que se descreveu como um “mal misterioso nascido do amor e da carne”. Ele viveu com ela por 33 anos. Como ele pode afirmar que, se pudesse voltar, não mudaria nada sobre o que aconteceu comigo?

“O status de HIV foi importante para me fazer descobrir a profundidade da vida, que muitas vezes esquecemos. Eu experimentei instabilidade. Descobri outros, amo outros ».

“Agora que estou mais velho, viajo menos. Mas em Junho fui a Portugal, onde conheci os locais, que têm uma concepção muito forte de amor, e ouvi a sua música triste”.

O que o levou a fazer teatro?

“Aos quatro anos, interpretei o Menino Jesus na paróquia. Estudei administração e economia. Aos 21, larguei tudo e me matriculei na escola de teatro para superar a dor de perder um amigo. Costumo ser Mas quando estou no palco acho que o que fazemos é maior do que nós. É importante. Acho que todo teatro é social. Talvez hoje mais do que isso. Agora sinto a necessidade de dar amor.”

Quais são os encontros mais importantes em sua carreira?

“O episódio de Pina Bausch, que me deu liberdade. E aquela que estava com Bobo (um surdo-mudo e minha mãe, conheceu no abrigo Aversa, o protagonista do espetáculo Barbone, que foi um divisor de águas em seu teatro , editor), que me deu tudo, mas não quero falar sobre isso porque sempre sofro muito por ele.”

“Pessoas que, como naquele dia, me dizem ‘Obrigado pelo que você está fazendo.’ ‘Nunca vou esquecer esse show’. É a coisa mais linda que já vi. Dê-me coragem. Mas devo ser cuidado, devo Me proteger, porque sou muito sensível».

Obrigado ao público, porque Delbono dá o que há de mais precioso e infelizmente raro: emoções.

Se quiser ficar por dentro das novidades de Florença, assine gratuitamente a newsletter do Corriere Fiorentino. Todos os dias ele chega diretamente à sua caixa de entrada às 12h. basta clicar aqui

18 de fevereiro de 2022 | 18:36

© Reprodução reservada

READ  “Não cedemos à chantagem” - Corriere.it