Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Bandeira italiana na vanguarda da neutralidade climática

O investimento em infraestruturas de investigação ascende a 150 milhões de euros, que serão utilizados para monitorizar e tratar as emissões de gases com efeito de estufa nos próximos dois anos e meio. À medida que a Itália lança seu plano que está entre os mais avançados da Europa, a comunidade científica italiana enfrenta os mais recentes resultados e os desafios mais avançados da pesquisa em medições de gases de efeito estufa.

Cerca de 70 estudos foram apresentados, mais de 50 instituições de pesquisa foram representadas e mais de 150 participantes foram representados, incluindo representantes do mundo corporativo, do setor de energia e start-ups: ICOS Italia (Sistema Integrado de Monitoramento de Carbono) abre sua primeira conferência reunindo toda a comunidade italiana no CNR, cujo trabalho gira em torno da coleta e interpretação de dados sobre emissões de gases de efeito estufa e absorção pelos ecossistemas.

A primeira conferência nacional do ICOS Itália mostrou a disponibilidade de uma comparação ampla e interdisciplinar que destacou o conhecimento, as oportunidades e os desafios futuros para o papel da pesquisa neste campo nos níveis nacional e internacional.

Em particular, fica claro pelos trabalhos que existem muitas áreas e tópicos que são afetados pelo estudo e dados relacionados ao ciclo do carbono: ambiente urbano, ambiente agrícola, ecossistemas naturais terrestres e marinhos, somando-se a estes o papel crucial das atividades e recursos humanos e com eles o envolvimento de muitos sectores económicos, como o da Agricultura acima referido, mas também o sector da energia e transportes, para citar alguns, mas os sectores mais visíveis.

A conferência intitula-se eloquentemente “Meta de Neutralidade de Carbono: Papel, Status e Perspectivas das Observações Ambientais”Foi inaugurado pelas intervenções do Presidente do Conselho Nacional de Investigação Maria Chiara Carusa, Fabio Trincardi, Diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Ambiental do Sistema Terrestre (DSSTTA) do CNR e Carlos Calvapetrao ponto focal do ICOS Itália e diretor do Instituto de Pesquisa em Ecossistemas Terrestres do Comitê Nacional de Pesquisa.

READ  Novo livro do senador Cattaneo: "Armado de ciência para conhecer a realidade e enfrentar o presente"

Os três principais oradores desenharam então o contexto, entre ciência política e sociedade, para o tema da conferência.

Ricardo Valentini (Professor da Universidade de Tocia, membro do Centro Euro-Mediterrâneo de Mudanças Climáticas – CMCC, Presidente da Sociedade Italiana de Climatologia – SISC) explicou o tema à luz do conteúdo do último relatório de avaliação sobre mudanças climáticas nos Estados Unidos Emirados Árabes. Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. Giacomo Grassi Em seguida, o JRC (Centro Conjunto de Pesquisa da Comissão Europeia) delineou o estado da arte da pesquisa sobre um tópico específico para medições e próximos passos, e desenvolvimentos metodológicos e de pesquisa que serão críticos para melhorar ainda mais a qualidade e a pontualidade dos dados. No fim, Gelsomina Pappalardo (Conselho Nacional de Pesquisa, Instituto de Metodologias de Análise Ambiental) destacou a importância das infraestruturas de pesquisa ambiental na Europa e o papel crescente e valioso que a Itália desempenha nesta rede.

A redução de 5% nas emissões antrópicas observada em 2020 devido ao COVID já foi recuperada em um ano, também confirmada por estudos do ICOS sobre emissões nas cidades“- perceber Carlos Calvapetra Ponto de contato no ICOS Italia e diretor do Instituto de Pesquisa em Ecossistemas Terrestres do CNR “- A concentração atmosférica de dióxido de carbono continua a crescer em valores agora superiores a 420 partes por milhão, e eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes ameaçam o papel dos reservatórios do ecossistema. Felizmente, estamos intervindo em nossas cidades aumentando o patrimônio arbóreo em 14 cidades metropolitanas e em uma série de outras iniciativas também com contribuições especiais que contribuirão para a meta ambiciosa de neutralidade de carbono para 2050.“.

É também por isso que a Itália, única na Europa, investirá 150 milhões de euros nos próximos 30 meses para fortalecer as infraestruturas italianas de pesquisa ambiental graças a um projeto coordenado pelo CNR e financiado no âmbito do PNRR.– comentou Dario BabaliProfessor da Universidade de Tuscia e diretor do Centro Temático ICOS para Ecossistemas.

READ  Maker faire Trieste, região Fvg apoia ciência e pesquisa Italpress

O segundo dia da conferência contou com pesquisadores e representantes de empresas discutindo e apresentando as mais recentes tecnologias na área de monitoramento ambiental e gases de efeito estufa. Uma comunidade em crescimento, multidisciplinar e distribuída pelo território nacional, aberta à Europa e ao mundo em busca de respostas para um problema que só pode ser abordado à escala global mas que tem também uma forte dimensão regional, nacional e local. O acesso aberto e totalmente gratuito a dados de alta qualidade estimula a utilização das métricas ICOS por diferentes comunidades científicas, sublinhando a importância das infraestruturas de investigação europeias. Neste contexto, a Itália desempenha um papel central no ICOS e na Europa, graças ao investimento em vários locais de medição (como o site de Florença, que acaba de ser adicionado à rede, que permitirá o monitoramento das emissões da cidade produzidas por atividades humanas) e em um dos centros temáticos The European Four (Centro Temático Ecossistema). Além disso, com a ilha de Lampedusa, a Itália possui a única localização da rede ICOS que abrange todos os componentes (atmosfera, oceanos e ecossistemas).

O que é ICOS ITÁLIA

A rede ICOS Italia é composta por 17 estações, das quais 10 são para ecossistemas, 4 para os oceanos e 3 para a atmosfera. Além disso, o ICOS Italia também coordena o Ecosystem Thematic Centre (ETC), que também é hospedado e apoiado pelo ICOS Bélgica e França.

As estações dedicadas aos ecossistemas cobrem as áreas mais típicas da Itália: diferentes tipos de florestas, campos cultivados e arbustos, além de um novo local urbano em Florença. As estações atmosféricas estão localizadas no norte da Itália, nos Alpes e no norte dos Apeninos, e na ilha de Lampedusa, no Mediterrâneo. As estações de observação do oceano estão localizadas no Mar Adriático, no Canal da Sicília e no Mar da Ligúria.

READ  A Technogym lançou seu aplicativo oficial para ficar sempre em forma em qualquer lugar

O ICOS Italia é coordenado pela Joint Research Unit (JRU), que surgiu da cooperação de 15 entidades italianas, incluindo universidades, institutos de pesquisa e outras entidades:

National Research Council (CNR), Euro-Mediterranean Climate Change Center (CMCC), University of Tocia, Council for Agricultural Research and Agricultural Economics Analysis (CREA), National Agency for New Technologies, Energy and Sustainable Economic Development (ENEA), Regional Environmental Agência de Proteção (ARPA) para o Vale de Aosta, Província Autônoma de Bolzano, Fundação Edmund Mach (FEM), Universidade de Sassari, Universidade de Estudos de Pádua, Universidade de Gênova, Universidade Católica do Sagrado Coração, Instituto Nacional do Sagrado Coração Oceanografia Experimental e Geofísica (OGS), Universidade Livre de Buzzin Bolzano, Universidade de Udine, Pesquisa em Energia do Sistema – RSE SpA

Infraestrutura de Pesquisa ICOS

Fundado em 2008, o ICOS RI é uma infraestrutura de pesquisa europeia que visa fornecer dados acessíveis, gratuitos e de alta qualidade para melhorar nossa compreensão das emissões e remoções de gases de efeito estufa. A infraestrutura é composta por várias redes de estações distribuídas em 13 países, com um total de mais de 150 estações e a participação de centenas de cientistas e pesquisadores.