Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Uma exposição sobre as tradições e o património das comunidades piscatórias

A exposição fotográfica “Povos do Mar – Tradições e Património das Comunidades Pesqueiras” abriu em Francavilla Al Mare. Esta iniciativa está a ser promovida pelo Ministério da Agricultura – Desenvolvimento Local e Serviço de Economia Pesqueira da Região de Abruzzo, em colaboração com a Bandeira Costa de Trabocchi, no âmbito do projeto europeu Cherish

É uma viagem pelas imagens para descobrir o patrimônio cultural, tangível e imaterial das comunidades pesqueiras, que será possível realizar, de hoje até 21 de agosto, no saguão do Palazzo Sirena em Francavilla al mare. Rituais, tradições, ferramentas, rostos, emoções e saberes do trabalho milenar como o de um pescador, através de 24 fotos tiradas por toda a Europa, estão reunidos na exposição “Povos do Mar – Tradições e Legado das Comunidades de Pescadores“.

Esta iniciativa é promovida pela região de Abruzzo (Departamento de Agricultura – Serviço de Desenvolvimento Local e Economia do Pescado), em cooperação com as Três Bandeiras de Abruzzo, no âmbito do Valorize o projeto europeuFinanciado pelo programa Interreg Europe 2014-2020, do qual a região é parceira de 8 outros países europeus. Objectivo: Proteger e sensibilizar para o património cultural das comunidades piscatórias e promover o intercâmbio de boas práticas entre as regiões em causa.

Como parte do projeto, foi realizado um concurso de fotografia com mais de 300 fotos recebidas da Itália, Alemanha, Finlândia, Letônia, Holanda, Portugal, Espanha, Grécia e Chipre, das quais 45 fotos foram tiradas em Abruzzo e avaliadas por um júri. 5 foram selecionados para cada região europeia. Parte dessas fotos é agora tema de uma exposição de viagens que será realizada em casa em Abruzzo até 11 de setembro. Depois da etapa de Pescara, aliás, a exposição chegou hoje a Francavilla onde, em colaboração com Bandeira Costa dei TrabocchiEstará aberto ao público no Palazzo Sirena até 21 de agosto, após o que concluirá seu itinerário italiano em Giulianova, de 22 de agosto a 11 de setembro.

READ  Como funciona e os três requisitos - Corriere.it

Inauguração da exposição “Genti di Mare” patrocinada por Município de Francavilla Al Mari e o criou Fundação Ginty d’AbruzzoEsta manhã, eles foram o diretor do Departamento de Desenvolvimento Local e Economia da Pesca na região Francesco Di FilippoVice-prefeito de Francavila Williams MarinelliPresidente da Bandeira Costa dei Trabocchi Franco Ricci e Presidente da Fundação Genti d’Abruzzo Emilio Della Cagna.

“Esta é uma exposição que pretende evidenciar a riqueza e a importância do património cultural das comunidades piscatórias europeias”, recorda CEO De Filippo. “Gestos, atividades, tradições e paisagens para descobrir e confirmar as extraordinárias características ‘contemporâneas’ e comuns na Europa das tradições dos povos do mar que correm o risco de desaparecer. A exposição promovida pelo Ministério da Agricultura – Desenvolvimento Local e Serviço da Economia do Pescado , enquadra-se na estratégia regional de promoção do território, da pesca local e da criação de ecomuseus como montras para as comunidades piscatórias locais, que hoje enfrentam uma série de desafios de missões associados à sustentabilidade económica e ambiental, inovação e segurança.”

A exposição no Palazzo Sirena estará aberta gratuitamente até 21 de agosto nos seguintes dias e horários: de segunda a sexta, das 17 às 20; Sábado das 10 às 13 e das 17 às 23; Domingo das 10 às 13 e das 17 às 20.

comentou Presidente Ritchie, «E mais ainda, participámos no projeto Cherish que nos permitiu partilhar experiências e boas práticas com outros países europeus. Com efeito, consideramos essencial promover as tradições e o património cultural das nossas comunidades piscatórias, e por isso agradecemos mais uma vez à região de Abruzzo por nos querer nesta viagem. Além disso, estamos especialmente satisfeitos que a imagem de Abruzzo escolhida pelo júri internacional para a exposição do Imortal seja precisamente o elemento que nos é mais peculiar e que nos distingue, o excesso ».