Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Slow Food, pontuação ambígua em 76% das carnes Igp e Dop tratadas na UE: a pesquisa destaca a falta de indicações no rótulo

Na dieta vá em busca de fraudes. Muitos pontos ambíguos em carne de porco europeia curada marcada com denominações DOP ou IGP.. Isso foi revelado por uma pesquisa sobre os regulamentos de produção do Slow Food, apresentada no dia da inauguração do Cheese. A pesquisa, que segue o estudo de dois anos de queijos, mostrou que mais de três quartos (76,7%) das 176 carnes processadas DOP e IGP europeias não tinham indicação de onde os porcos nasceram ou restrições de região. “A imagem que aparece é muito deprimente e desigual – Chiara Palandri, autora da pesquisa, explica – Porque em muitos casos a regulamentação deixa de fora aspectos que achamos que não deveriam ser liberalizadosMais de 95% da produção de suínos na Europa é mencionada – “gira em torno de algumas raças geneticamente selecionadas para seu desempenho a fim de aumentar a rentabilidade da empresa.” Das 176 especificações analisadas, 79 (44,9%) não se referem a nenhuma raça particular de porcos e 30 (17%) indicam o uso de raças universais, como o Great White, o Landrace e o duroc.

Agroalimentar, County Food Board criou: “É necessário iniciar contratos como uma prioridade do NRP”

As designações mais virtuosas, ou seja, regulamentos que exigem a utilização de raças autóctones, concentram-se em Portugal, Espanha e França.. A pesquisa mostrou que para mais da metade do IGP ou DOP (89 casos, equivalente a 50,6% do total) não havia indicação da procedência da carne. Outras 74 especialidades (42%) afirmam que os suínos utilizados na produção dos produtos industrializados devem ser criados pelo menos na área de produção, e destas, 41 (23,3%) exigem que não só os suínos sejam criados, mas também os criados dentro dela. . mesmo intervalo. Sombras também nas técnicas de criação: 127 regulamentos (72,2% do total) permitindo qualquer prática não proibida pela legislação nacional ou europeia. As exceções, também neste caso, dizem respeito a Portugal, Espanha e França, a nutrição suína também foi tida em consideração na investigação: 119 das 176 disciplinas (67,6%) não têm indicações sobre a origem e todas as restantes não fornecem referências sobre a utilização de OGM. Por fim, o pastejo é uma miragem de sons: apenas 46 das 176 especialidades (26,1% do total) fornecem o pastejo de animais. Novamente na França, Espanha e Portugal.

READ  As empresas estão cortando empregos à medida que a economia passa por uma recessão de duplo mergulho