Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Porque seu assento custa aos italianos 10 bilhões de euros – Libero Quotidiano

Sandro Iacometti

Os cálculos exatos serão feitos no final. Mas adivinhe a corrida Enrico Letta Para um assento em Siena, pode custar mais aos italianos 10 bilhões. Ah, sim, porque pela milésima vez a trajetória do Partido Democrata se confunde com a dos deputados. E se olharmos para os antecedentes, descobrimos que os contribuintes não estão muito felizes. Tenha cuidado para não perder o fio porque a tecelagem é complicada. Vamos ignorar, para simplificar, a história antiga do Banco de Siena, Por décadas sob o controle dos conselhos locais vermelhos, por meio da instituição, e da bagunça administrativa que estourou os orçamentos. Chegamos direto aos anos de grandes crises bancárias, quando o governo liderado pelo PDP se viu em meio ao colapso da população do Vêneto na Etrúria e no Ce.

Quando for a vez Monte dei Paschi, Em 2017, o Ministro da Economia, Pier Carlo Padoan, coloca 5,4 bilhões de dinheiro público na mesa. Não para facilitar a liquidação e venda do empreendimento, como foi o caso do Pop Vicenza e do Veneto Banca, mas para permitir que o tesouro entre diretamente na capital. Após longas negociações para convencer Bruxelas de que não se trata de auxílios estatais, mas sim de Negócio temporário em condições de mercado (Reserva de Recapitalização), o Partido Democrata também está tentando aprovar essa medida como um acordo para o Tesouro. Aqui está o resultado: 64,2% da participação comprada por 3,9 bilhões hoje equivale a 700 milhões. Antes de mais de três bilhões de contribuintes se esgotarem, Padoan segue para o set: ele aparece e ganha (embora não por muito) em 2018 no Siena College.

READ  UE recomenda abertura para os americanos para salvar o verão ل نقاق

Isto remete-nos aos últimos anos, com o prazo fixado pela União EuropeiaFora do cofre do Mps Mais perto do que nunca, o status de banco “nacionalizado” é cada vez mais desastroso. A tentativa do ex-ministro Pedeno se encaixa nesse cenário Roberto Gualtieri Para atribuir a instituição ao Unicredit. No entanto, Jean-Pierre Mustier não queria saber. Parte do Partido Democrata, especialmente o Partido da Toscana, também. E os meses vão passando.

Até que haja uma reviravolta: em novembro de 2020, Padoan está deixando a política (e a cadeira que Letta quer tomar com itens suplementares no outono) e se juntar ao conselho de diretores do Unicredit para se tornar presidente. Depois de um tempo ele desistiu também Reunir. Em seu lugar vai Andrea Ursell. O resto é história hoje em dia. O novo CEO iniciou negociações com a Tesouraria para verificar a existência dos termos da aquisição. Nem todos os Mps, claro, mas apenas a parte boa.

Ou seja, deixando todo o resto do estado corrupto, desde dívidas incobráveis ​​a litígios, até filiais e pessoal excedente. Analistas e especialistas correm nessas horas para calcular o custo da operação para o contribuinte. Em determinados períodos, dos mais de US $ 2 bilhões em incentivos fiscais que o governo já alocou, US $ 2 bilhões em aumento de capital, US $ 4 bilhões em disputas, taxas de empréstimos inadimplentes e redundância O número se aproximará de 10 bilhões de dólares. Em troca, o estado pode entrar, desta vez na esperança de tirar algo dele, no Unicredit Com uma participação de cerca de 5%.

Pode fazer melhor? pode ser. Mas é difícil pensar nisso Mario DragQualquer ministro da Economia, Daniel Franco, que não seja realmente um novato em termos bancários, passará por um processo doloroso se não for o único disponível. A verdade é aquilo O dano já foi feito. Agora, tudo o que resta é limitá-los. Bem ao contrário do que acredita o Partido Democrata, que depois do constrangimento inicial se alinhou oficialmente contra as negociações que desencadearam a raiva sindical e a rebelião territorial.

READ  A maior ponte suspensa do mundo está localizada em Portugal

Em nível local com o presidente da região da Toscana, Eugenio Gianni, que define a hipótese como inaceitável e pede uma mesa com as autoridades locais e, a nível nacional, com os dirigentes dos grupos na Câmara dos Deputados e no Senado, que pediram a Franco que apresentasse um relatório urgente ao Parlamento. Lembre-se de que os democratas não estão sozinhos nessas horas agitadas. Mas eles são os únicos que têm comido por anos Com Mps e agora, depois de ajoelharem-se à margem e esvaziarem os bolsos do contribuinte, vieram a Siena para pedir outra devolução. Parece que dez bilhões de dólares já foram perdidos. O perigo, mais do que tangível, é que, para garantir um lugar para o secretário, O Partido Democrata está tornando o projeto de lei mais salgado.


Vídeos neste tópico