Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Para esta doença neurodegenerativa, há grandes avanços na ciência em direção à terapia medicamentosa

O mundo está realmente cheio de doenças conhecidas e desconhecidas. Na Itália, a maioria das pessoas desenvolve diabetes e câncer. No entanto, existem muitas outras doenças que são menos comuns do que aquelas listadas, para as quais a ciência continua a pesquisar potenciais tratamentos.

Se o tratamento para o diabetes consiste em uma alimentação saudável, fazer exercícios e tomar certos medicamentos, então foram descobertos tratamentos potenciais para a doença de Alzheimer. O primeiro refere-se a um estudo realizado por pesquisadores italianos sobre os benefícios da casca de limão para idosos com doença de Alzheimer. O segundo refere-se a um estudo americano sobre a possibilidade de obtenção do primeiro medicamento contra a doença.

Mas há outra doença neurodegenerativa, como a doença de Alzheimer, que afeta uma área do cérebro para a qual ainda não há cura. No entanto, a busca continua.

esclerose múltipla

Já falamos sobre esclerose múltipla neste artigo, no qual focamos nossa atenção nos vários sintomas. Em geral, é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso central e causa lesões locais no cerebelo e na medula espinhal.

Ao contrário da doença de Alzheimer, não há perda de memória, mas há maior dificuldade de concentração e confusão.

As pesquisas estão avançando muito para estabelecer um tratamento medicamentoso definitivo, sempre empiricamente dependente do estado da doença. Depois de um estudo ítalo-americano mencionado antes Fundação Veronese Ele fez uma descoberta muito importante.

Para esta doença neurodegenerativa, há grandes avanços na ciência em direção à terapia medicamentosa

O estudo descobriu que a proteína que causa a inflamação pode ser desligada. É por isso que há grandes avanços na ciência em direção ao tratamento farmacológico dessa doença neurodegenerativa. A próxima etapa deve ser testar novos medicamentos capazes de atingir a proteína C1q. Por ser uma proteína que causa inflamação, desligá-la limitará os danos causados ​​por doenças.

READ  Pro Vercelli, Science: "O resultado nos tranquilizou com o medo de uma lesão no Dime! O Napoli me impressionou, e vou explicar por quê" [ESCLUSIVA]

É como se tivéssemos azia e tomássemos aqueles medicamentos que podem parar a inflamação que está causando a queimação. O princípio será o mesmo. A descoberta empolgante, na verdade, é que essa proteína C1q específica é central para o processo inflamatório, para o qual a esperança de um novo tratamento está sendo acesa.

A proteína foi descoberta com base na esclerose múltipla progressiva. Ou seja, a versão persistente da doença que piora com o tempo. O estudo, publicado na revista Nature, especifica que há esperança de parar a inflamação por meio de terapia medicamentosa. Só temos que esperar.

(Lembramos que você deve ler atentamente os avisos deste artigo, que podem ser consultados Quem é o”)