Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Lançada há 30 anos, a Economia Corporativa é um projeto nascido do amor

Encontro em Lopiano, primeiro castelo internacional do movimento dos Focolares, para celebrar o aniversário deste projeto que se estendeu por várias partes do mundo. Luigino Bruni: uma experiência nascida do amor evangélico

Deborah Donini – Cidade do Vaticano

Há trinta anos, Chiara Lubic, a fundadora do movimento Fokolar, lançou a economia compartilhada para “trazer um pedaço do céu aos negócios” e, ao fazê-lo, graças aos convites de empresários, conseguiu ajudar dezenas e dezenas de milhares de pobres e milhares de crianças na escola. Para relembrar o panorama em que nasceu esta experiência é um encontro realizado hoje em Lupiano, também transmitido ao vivo, com muitos contactos de diferentes partes do mundo, apenas 30 anos após o seu nascimento. Momentos de diálogo, histórias, arte e participação do General Verdi revivem o evento. O projeto surgiu em São Paulo em 1991 por intuição de Chiara, chocada com as contradições econômicas no Brasil. E assim do primeiro pólo “Spartaco Lucarini”, nascido no país sul-americano, chegamos ao último pólo “Giosi Guella”, inaugurado em 2010 em Portugal, e os polacos continuam a alimentar a vida da economia da empresa, que se centra sobre a cultura de “dar” como antídoto Para consumir “possessivo”. Para viabilizar tal projeto, a economia corporativa opera com um amplo compromisso formativo neste sentido, por meio de escolas, encontros e eventos dirigidos a jovens, trabalhadores, empresários e cidadãos.

Sementes plantadas dão frutos

Ele está comprometido com ela desde que era um menino Luigino BruneSou promotor e cofundador da SEC – School of Civil Economics – e historiador do pensamento econômico com especial perfil de interesse em economia cívica, social e participativa. Professor da Universidade Lumsa de Roma, Coordenador do Projeto de Economia Corporativa, Conselheiro da Religião do Vaticano para a Ciência, Família e Vida, Colunista do Avvenire e Diretor Científico do evento “Francesco Economy”.

READ  Covid, 4 de maio de 2021 Emilia-Romagna: Boletim do vírus Corona hoje. Dados e infecção

“Ainda estamos na fase de semente, porque essas experiências que surgem da espiritualidade, dos dons da Igreja, demoram muito”, explica Bruni na entrevista, lembrando como “Kiara Lubic começou em 1991 essa experiência que nasceu apenas e só de “amor evangélico”. Ela não era economista nem empresária: era uma mulher que fundou um movimento espiritual, os Focolares. E quando viu a pobreza no Brasil, pensou que tinha que fazer alguma coisa. Bruni explica um projeto que sempre atraiu pessoas muito apaixonadas, com grandes ideais, enfatizando como foi trazido “em arbustos”, não na grande mídia. Então é uma questão de “sementes” que ainda estão sendo plantadas, a tal ponto que hoje centenas delas de todo o mundo estão interligados: muitos são da África, Ásia, América do Sul e Austrália. E há muitos jovens.

Ouça a entrevista com Luigino Bruni:

projeto obstétrico

Bruni explica que Lupiano nasceu como um experimento antes da economia corporativa, como uma cidade na montanha para mostrar um “corredor de convivência inspirado na Bíblia”. A economia corporativa nasceu depois e está claramente voltada não só para experiências empíricas como Loppiano pode ser, mas “em todas as empresas que querem viver sua atividade econômica como um lugar de boa vida, compartilhamento, comunicação e abertura à pobreza de seus vários tipos. ”. Em Lupiano, por exemplo, existe uma escola de economia civil, uma escola de economia corporativa. A Universidade Sophia, onde existe um departamento que estuda e ensina economia corporativa, que está espalhado por todo o mundo, está na vida de milhares de empresas que buscam inserir seus princípios na prática normal dos negócios.

Empresas que procuram produzir riqueza de forma correta, ética e eqüitativa, e depois, uma vez que obtêm algum lucro, repartem e colocam em uma empresa com três finalidades: “Pobreza, investir em jovens que possam estudar e se formar com uma mentalidade diferente e então uma parte dela permanece na empresa, até que ela possa crescer, ela possa seguir em frente. ” Depois, outras experiências surgiram da economia da empresa. Bruni é lembrado, entre outras coisas, como um dos “pais” da “Economia Francesco”, lançada pelo Papa há dois anos e que fez a economia de comunhão entre seus promotores, junto com a cidade de Assis. A forma como a economia da empresa se espalhou para diferentes partes do mundo também emerge dos vários links do encontro online de hoje: com a Coréia, Filipinas e Benin. “Escolhemos as sementes, a geração, as flores e as plantas como imagem – conclui Bruni – porque é a imagem maravilhosa do projeto, um projeto generativo”.

READ  Puxado, mas o caixa eletrônico não dá dinheiro: o início de uma saga burocrática