Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Companhias aéreas pressionam UE para reduzir reembolso por atrasos

A pandemia de coronavírus causou um grande golpe nos cofres das transportadoras, especialmente das companhias aéreas. Embora as viagens tenham sido retomadas, as repercussões da crise continuam fortes, e o contínuo cancelamento de voos nos últimos meses, principalmente por falta de pessoal, é apenas um dos sintomas mais fortes da difícil situação. Agora, as empresas estão novamente pressionando a Comissão Europeia para relaxar as regras de compensação por atrasos. Como mencionado Político A presidência checa da União Europeia há seis meses pretende reabrir as negociações, há algum tempo bloqueadas, sobre a revisão das regras de indemnização na União Europeia, depois de as negociações paralisadas durante anos devido à disputa entre o Reino Unido e a Espanha sobre aeroporto de Gibraltar.

As companhias aéreas argumentam há anos que é injusto ser forçada a pagar centenas de euros por um atraso que provavelmente teria pouco impacto no voo de um passageiro, observando que a compensação costuma ser bem acima da tarifa. “Acho que todos concordam que, se você pagar 50 euros por uma passagem e voltar 300 vezes, não é justo e não faz sentido”, disse Thomas Rennart, CEO do lobby da Airlines Industry Europe (A4E), com sede no Cairo. Bruxelas.

Conforme estipulado na Diretiva de 2004 sobre Direitos do passageiro, relativo a viagens de e para a União Europeia, por enquanto, se o voo for cancelado, o passageiro tem direito a um voo alternativo ou ao reembolso do preço do bilhete. Se o voo atrasar mais de três horas, aplica-se uma taxa de reembolso fixa de 250€ até 1500km, 400€ entre 1500 e 3500km e 600€ para viagens superiores a 3500km. A Comissão Europeia já tentou reformar a legislação, publicando uma proposta revisada em 2013 que recomenda um período de cinco horas antes do início da compensação e fornece exemplos de “circunstâncias excepcionais” em que a companhia aérea não será obrigada a pagar.

READ  Nadim al-Zahawi: 'Menino de Bagdá' aspira a se tornar o próximo primeiro-ministro como candidato a cortes de impostos, conservadores sindicalistas

No entanto, isso preocupa as associações de direitos do consumidor. Pelo contrário, a regulamentação deve ir além, não diluída, diz Stephen Berger, diretor jurídico do grupo Beuc, com sede em Bruxelas, e disse que a compensação deve ser automática, dizendo que atrasos e cancelamentos têm um impacto significativo no viajante. “Se você vai da Lituânia para Portugal por 30 euros e fica preso por dois dias entre os voos, é certo receber apenas uma pequena compensação? Precisamos manter o nível de compensação e reforçar a fiscalização.” A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e a A4E estimaram que os reembolsos devidos a passagens de passageiros vendidas, mas não usadas entre março e maio de 2020, totalizam € 9,2 bilhões na UE e no Reino Unido.

De acordo com as regras atuais, as companhias aéreas não precisam pagar se o atraso ou cancelamento for causado por “circunstâncias excepcionais”. Mas não há consenso sobre o que realmente deve ser considerado inusitado, e muitos acabam em caos na Justiça e perante o Tribunal de Justiça Europeu, onde novos precedentes são estabelecidos. “A lei aprovada pelo Parlamento Europeu não é a lei que aplicamos agora; os juízes inventaram partes inteiras dela, desafiando o texto”, disse Harry Snook, chefe global de aviação da Oracle Solicitors em Belfast. Ser capaz de ler a lei resultante sem ser advogado e entendê-la.”

Mas as organizações de direitos dos passageiros argumentam que o número de processos judiciais decorre do fato de que as companhias aéreas muitas vezes não pagam as indenizações como deveriam. “Se existem agências de reclamação, é porque não há fiscalização; se as companhias aéreas respeitarem os direitos dos passageiros, não haverá mercado para elas”, disse Berger.

READ  A Ligúria está tentando relançá-lo para salvar o turismo. Estâncias balneares: "Vamos vacinar nos hotéis." Mas a região está recuando