Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Auto-isolamento da Alemanha na Europa em caso de emergência de gás

A Europa não é mais o que era: a Alemanha não pode mais impor sua vontade hegemônica e até mesmo o eixo franco-alemão não existe mais. Nos últimos dias, o chanceler alemão Olaf Schulz tentou um truque típico do conceito egoísta alemão de solidariedade europeia: forçar 26 outros países a reduzir o consumo de metano em 15% para fornecer a Berlim esse gás em condições desesperadoras de energia, por sua culpa. Tudo com a cumplicidade da alemã Ursula von der Leyen, chefe da comissão que fez cumprir essa diretriz.

O raciocínio era claro e não era novo: a Europa deve pagar pelos erros de Berlim, mesmo erros flagrantes e injustificados, como tornar-se totalmente dependente do metano russo como nenhum outro país fez. Tudo por causa de uma estratégia míope que – como em todos os outros arquivos tratados pela Alemanha – a economia no lugar da política.

Na verdade, o gás russo era o mais barato, tanto que a Alemanha quase descartou a extração de metano que custava mais investimento (e agora é tarde demais para consertá-lo).

Uma revolta imediata da Grécia, Espanha, Portugal e França que não dependem pelo menos do metano russo, que se veriam empurrados em termos de estagnação econômica cortando seus fornecimentos de metano para serem lançados em Berlim devido a um erro geopolítico. e ainda é alemão.

A notícia é que no Conselho Europeu de Ministros da Energia de terça-feira, a Alemanha se viu isolada, um sinal dos tempos, a França não veio em seu socorro (pelo contrário) e a presidência da República Tcheca intermediando uma solução. Satisfaz a todos, exceto a Alemanha, que sofreu um revés em vários níveis.

Concretamente, os 27 países estão agora comprometidos, mas apenas no final, como veremos, a fornecer 30 bilhões de metros cúbicos de metano em vez dos 45 assumidos pela Comissão e Berlim. A diferença de 15 bilhões é exatamente o que a Alemanha pretendia extrair às custas de outros países.

READ  Medidas de segurança alimentar serão reforçadas na mesa da Agrifish amanhã

No entanto, Olaf Schultz também sofreu um revés em outros níveis. A decisão sobre um possível corte emergencial não será do comitê, mas do conselho, e não mais a pedido de três países, mas de cinco. Por fim, 10 países, incluindo os estados bálticos, as ilhas, Espanha e Portugal ficarão isentos do corte.

O resto será alcançado, mas apenas se a emergência for votada por maioria qualificada, reduzida em não mais de 15%, mas apenas 7% se puderem preencher suas reservas para 80%. O percentual que satisfaz o ministro italiano Roberto Cingolani, que cumpre esse critério, pois exatamente 7% é a redução já decidida pela Itália de forma independente.

Uma solução de mediação de cima para baixo, como sempre, aparentemente preserva a unidade dos países europeus, mas na verdade deixa a Alemanha à mercê de seus erros energéticos e com más perspectivas para o próximo inverno. Mas sobretudo, a solução que testemunhou pela primeira vez a nível político o isolamento da Alemanha e a sua incapacidade de impor a sua linha à União Europeia.