Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Afeganistão e Johnson: ‘Ninguém reconhece o governo do Taleban’

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson exortou a comunidade internacional a tomar uma posição unida contra o Taleban, “não queremos que ninguém o reconheça unilateralmente.” O primeiro-ministro admitiu em entrevista à Sky News que “está claro que a mudança de regime está acontecendo agora, e não sabemos exatamente que tipo de regime será”. É correto dizer que a decisão dos Estados Unidos de se retirar “do Afeganistão” apressou “o avanço do Taleban no país”.

“Ninguém quer que o Afeganistão seja um terreno fértil para o terrorismo ou que retorne ao status quo que existia antes de 2001.” Foi o que disse o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, destacando que “a situação está se tornando cada vez mais difícil”. “Não achamos que seja do interesse do povo afegão voltar a isso”, enfatizou o primeiro-ministro de Londres. Johnson disse então que “nossa prioridade é garantir o cumprimento das obrigações para com os cidadãos britânicos no Afeganistão, para todos aqueles que ajudaram os esforços britânicos no Afeganistão nos últimos 20 anos para tirá-los de lá o mais rápido possível”. “Dois mil já deixaram o país – disse ele – vamos levar o maior número possível nos próximos dias”, disse ele.

O primeiro-ministro britânico pediu “uma reunião o mais rápido possível” do Conselho do Atlântico e do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o Afeganistão, diz uma nota de Downing Street, que fornece um relato das conversas telefônicas de Johnson com o secretário-geral da ONU. OTAN, Jens Stoltenberg e com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reunirá amanhã, disseram fontes diplomáticas à Adnkronos.

O primeiro-ministro enfatizou a necessidade de “a comunidade internacional combinar esforços nos próximos meses para enfrentar a ameaça extremista e a emergência humanitária no Afeganistão e a importância de não reconhecer um novo governo afegão em nível unilateral”.

READ  Covid, e-mails com um amigo chinês sobre a origem do vírus que constrange Fauci