Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A casa de química onde Primo Levi trabalhou

Por alguns dias em Settimo Torinese, o prédio em Leinì 84, antiga sede da fábrica de tintas Siva, abrigava um museu de química. De acordo com o estilo vago das abreviações, eles o chamavam de Mu-Ch, brincando com a palavra inglesa que significa “muito”. Público-alvo das escolas: dos 6 aos 12 anos. Mas, dada a cultura científica pobre do nosso país, funciona bem para adultos também. Ele contém 16 laboratórios, nos quais os visitantes se envolvem em 29 experimentos simples (bolhas de sabão são inevitáveis), e a Mesa de Mendeleev cobre uma parede inteira e contém uma sala de reuniões, um bar químico e um planetário.

MuCh (foto) é colorido, alegre e quer ser divertido. Acima de tudo, guardou a memória do prédio que abrigava os escritórios da empresa na qual Primo Levi foi nomeado logo após seu retorno de Auschwitz, onde trabalhou até a aposentadoria, tornando-se seu gerente geral. Quando decidiu não se deslocar diariamente entre Corso Rei Umberto 75 e Settimo Torinese, foi em 1974, então a empresa sofreu as vicissitudes de várias fábricas italianas. Com a entrada de um parceiro chinês, grande parte da produção foi transferida em 1996 para Tongling, cidade quinhentos quilômetros a noroeste de Xangai; Em 1998, a nova fábrica foi vendida para uma empresa alemã, Altana, e em 1999 esta transferiu a produção para Ascoli Piceno, e a fábrica de Sitimo foi definitivamente fechada.

“vantagem ilegal”
Primo Levi considerava ser químico por estudo e profissão uma espécie de “vantagem ilegal” para sua obra literária. “A química é a arte de separar, pesar e distinguir: estes são três exercícios úteis também para quem está prestes a descrever fatos ou dar substância à sua imaginação. Há também um tremendo legado de metáforas que um escritor pode extrair da química de hoje e de ontem, e quem não veio apenas ao laboratório e à fábrica sabe mais ou menos.”

READ  Esta incrível raiz japonesa nos ajudará a perder peso mais rápido, além de 3 benefícios ósseos e cerebrais que ninguém conhece

A diversidade de visões de mundo que a química gera pode ser vista claramente lendo “Material of the Future” de Luca Beverina (Il Molino, 170 páginas, € 12), Professor de Química Orgânica na Universidade de Milão Bicocca. Desde a primeira página, Beverina demonstra a sensibilidade linguística de ser um químico ao distinguir entre substância e substância. Matéria-prima, material é o produto do trabalho humano que submeteu a matéria-prima (Primo Levi etimologicamente falando de “mãe”, a origem de todas as coisas) a um processo que pode ser reversível ou irreversível, com todas as consequências econômicas, sociais e ambientais decorrentes .

valor de leveza
Interlocutor realizado, Beverina revisa o novo material de acordo com a forma como as percepções de nossos sentidos estão mudando. Anos atrás a TV pesava como um baú, hoje a movimentamos com dois dedos. A química de semicondutores tem diodos de filtro e tubos de raios catódicos, plástico e madeira, e telas OLED tão finas quanto jornal, e podem ser dobradas e enroladas.

O plástico também é leve, “o material que Deus esqueceu de inventar”. O ganhador do Prêmio Nobel Giulio Natta e outros químicos de polímeros pensaram nisso, dando-nos um produto excelente, sólido, colorido e durável. Quem não se lembra de Gino Bramieri e do anúncio do Moblin? Mas abordávamos isso com uma mentalidade de consumidor “descartável”, e então o plástico, que era uma solução, se tornou um problema.

O olfato é um órgão sensorial reprimido, mas essencial. Os sacos de compras descartáveis, mesmo quando se trata de Mater-B (sacos biodegradáveis) têm um cheiro distinto, entram em contacto com o nosso nariz. Os não biodegradáveis, que são proibidos nos supermercados, retêm uma pitada dos hidrocarbonetos dos quais são derivados, e os biodegradáveis ​​têm um leve cheiro de pão fresco.

Índio em telas sensíveis ao toque
O toque sempre foi uma sensação importante e agora está testemunhando sua era triunfante. Tocamos as telas de celulares, tablets e computadores dóceis mil vezes por dia. Os dedos não apenas “escrevem”, o que é óbvio, mas abrem, pressionam, movem e rolam. O segredo está em um elemento químico descoberto em 1863 por químicos alemães que então brigaram para reivindicar a exclusividade da empresa. O índio não é raro, há mais índio do que prata. Mas é raro, o que significa que é distribuído um pouco por toda parte, mas em pequenas quantidades, na forma de um óxido. Em suma, não há minas de índio que facilitem sua extração. O índio permaneceu sem valor comercial até alguns anos atrás, com a invenção da tela sensível ao toque, hoje o índio é tão precioso, nem é preciso dizer que seu maior produtor é a China.

READ  Como medir a pressão arterial corretamente em casa antes de informar o seu médico sobre isso

Os minerais se aplicam ao sentido da audição. Dependendo do elemento químico e do tratamento a que foi submetido, a liga e os metais ressoam de muitas maneiras diferentes, de espadas se chocando a carrilhões, a metais orquestrais.

Língua, nariz e olhos
Voltando ao paladar, que está intimamente relacionado ao olfato – eles são dois de nossos órgãos sensoriais químicos e ligam moléculas voláteis diretamente às terminações nervosas da boca e do nariz – entramos no vasto reino das substâncias comestíveis. Apenas para dizer, vinho, queijo e cerveja são tecnologias vitais. Assim, na mesa, até o olho faz a sua parte, pintando um aperitivo ou uma sobremesa passa a concorrer com o desenho.

Finalmente a energia. A química desempenha um papel essencial: fornecer energia com isolantes, baterias de lítio para inúmeros dispositivos elétricos, de celulares a carros, materiais fotossensíveis para imagens e pesquisas científicas, painéis fotovoltaicos e promessas de grafeno.

A ciência moderna dos materiais tem trinta anos. Mas sua história é muito antiga. Outro químico famoso, Silvano Fosso, falou sobre isso no livro “O Segredo das Coisas” (Casa Carocchi, 255 páginas, €19). O segredo é que mesmo os materiais mais antigos, como pedra e madeira, são constantemente renovados em seus usos. As ligas metálicas e o vidro continuam a ser fundamentais. Os materiais “maduros” são agrupados em “compostos” que apresentam novas oportunidades de uso. Na escala nanométrica (um bilionésimo de metro) os materiais adquirem propriedades inesperadas, por exemplo o dióxido de titânio é um branqueador, autolimpante, isolante térmico, refletivo, útil em produtos farmacêuticos, um fotocatalisador. Curioso e Excêntrico, de Silvano Fuso, vale ainda destacar “Quando a Ciência Faz Espetáculo. Uma Breve História Científica da Ilusão”, escrito com Alex Rusconi, Introdução de Raul Cremona (Carocci, 234 páginas, €18). Claro que Fuso não esquece que é químico: veja as páginas de clorofórmio e éter.

READ  Priya: "Não se desligue da TV? Rai deve promover a cultura da ciência"

50 grandes ideias
Algumas sugestões para saber mais. A biotecnologia é um grande capítulo em si. Eles afetam nutrição, saúde, agricultura, produção de alimentos, controle de poluição, tratamento de água e resíduos, restauração, extração mineral e tecnologia de sensores. Uma leitura de “50 Grandes Ideias: Biotecnologias” de Simone Perracci (Edizione Didalo, 210 páginas, €18) nos fará míopes e compreenderemos a miopia de alguns dos preconceitos que tentaram demonizar desenvolvimentos científicos de grande importância para melhorar a qualidade de vida. avistado Desafiador, mas importante, leia: “Reescrevendo a Humanidade. A Revolução CRISPR e a Nova Era da Edição de Genes”: Uma tecnologia bioquímica que concedeu o Prêmio Nobel em 2020 a Emmanuel Charpentier e Jennifer Doudna que terá avanços maciços.

Sobre energia e química relacionada na última perspectiva geopolítica, Simone Tagliapietra escreveu para a planta “Energy of the World” (157 páginas, 12 euros), quanto aos minerais estratégicos (lítio, índio, tântalo …) no monopólio da China , recomendamos a “terra rara” de Sofia Calantzacus (editora Bocconi).