Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

1ª Conferência Nacional do ICOS: a ciência italiana na vanguarda do caminho para a neutralidade climática

Cerca de 70 estudos foram apresentados, mais de 50 instituições de pesquisa foram representadas por mais de 150 participantes, incluindo representantes do mundo corporativo, do setor de energia e start-ups: em sua primeira conferência nacional realizada em Roma nos dias 27 e 28 de setembro, ICOS Itália (sistema integrado de monitoramento de carbono) No CNR, foi coletada toda a comunidade italiana cujo trabalho gira em torno da coleta e interpretação de dados sobre emissões de gases de efeito estufa e absorção pelos ecossistemas. A rede ICOS (17 estações mais o Centro Temático Ecossistema) proporcionou uma ampla e interdisciplinar comparação que destacou o conhecimento, as oportunidades e os desafios futuros para o papel da pesquisa neste campo nos níveis nacional e internacional.

Em particular, fica claro pelos trabalhos que existem muitas áreas e tópicos que são afetados pelo estudo e dados relacionados ao ciclo do carbono: ambiente urbano, ambiente agrícola, ecossistemas naturais terrestres e marinhos, somando-se a estes o papel crucial das atividades e recursos humanos e com eles o envolvimento de muitos sectores económicos, como o da Agricultura acima referido, mas também o sector da energia e transportes, para citar alguns, mas os sectores mais visíveis.

A conferência intitula-se eloquentemente “Meta de Neutralidade de Carbono: Papel, Status e Perspectivas das Observações Ambientais”Foi inaugurado pelas intervenções do Presidente do Conselho Nacional de Investigação Maria Chiara CarosaE a Fábio Trincardidiretor da Divisão de Ciência e Tecnologia Ambiental do Sistema Terrestre (DSSTTA) do CNR e Carlos Calvapetrao ponto focal do ICOS Itália e diretor do Instituto de Pesquisa em Ecossistemas Terrestres do Comitê Nacional de Pesquisa.

Os três principais oradores desenharam então o contexto, entre ciência política e sociedade, para o tema da conferência.

READ  As 10 praias mais bonitas do mundo de acordo com a ciência

Ricardo Valentini (Professor da Universidade de Tocia, membro do Centro Euro-Mediterrâneo de Mudanças Climáticas – CMCC, Presidente da Sociedade Italiana de Climatologia – SISC) explicou o tema à luz do conteúdo do último relatório de avaliação sobre mudanças climáticas nos Estados Unidos Emirados Árabes. Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. Giacomo Grassi Em seguida, o JRC (Centro Conjunto de Pesquisa da Comissão Europeia) delineou o estado da arte da pesquisa sobre um tópico específico para medições e próximos passos, e desenvolvimentos metodológicos e de pesquisa que serão críticos para melhorar ainda mais a qualidade e a pontualidade dos dados. No fim, Gelsomina Pappalardo (Conselho Nacional de Pesquisa, Instituto de Metodologias de Análise Ambiental) destacou a importância das infraestruturas de pesquisa ambiental na Europa e o papel crescente e valioso que a Itália desempenha nesta rede.

“A redução de 5% nas emissões antrópicas observada em 2020 devido à COVID já foi recuperada em um ano, como também confirmado pelos estudos do ICOS sobre emissões na cidade”, observa. Carlos Calvapetra O ponto focal do ICOS Italia e Diretor do Instituto de Pesquisa em Ecossistemas Terrestres do CNR “A concentração de dióxido de carbono na atmosfera continua a crescer com valores agora superiores a 420 partes por milhão e eventos climáticos extremos, que estão se tornando cada vez mais e mais frequentes, também comprometem o papel dos reservatórios dos ecossistemas. Felizmente, estamos intervindo em nossas cidades aumentando o patrimônio arbóreo em 14 cidades metropolitanas e em uma série de outras iniciativas também com contribuições especiais que contribuirão para a meta ambiciosa de neutralidade carbônica para 2050 .” “Por isso também A Itália, única na Europa, investirá 150 milhões de euros nos próximos 30 meses para fortalecer a infraestrutura italiana de pesquisa ambiental graças a um projeto coordenado pelo Comitê Nacional de Pesquisa Científica e financiado pelo Registro Nacional de Nomes de Domínio (PNRR).Comente Dario BabaliProfessor da Universidade de Tuscia e diretor do Centro Temático ICOS para Ecossistemas.

READ  À ficção científica para descobrir a ciência em áudio

O segundo dia da conferência contou com pesquisadores e representantes de empresas discutindo e apresentando as mais recentes tecnologias na área de monitoramento ambiental e gases de efeito estufa. Uma comunidade em crescimento, multidisciplinar e distribuída pelo território nacional, aberta à Europa e ao mundo em busca de respostas para um problema que só pode ser abordado à escala global mas que tem também uma forte dimensão regional, nacional e local. O acesso aberto e totalmente gratuito a dados de alta qualidade estimula a utilização das métricas ICOS por diferentes comunidades científicas, sublinhando a importância das infraestruturas de investigação europeias. Neste contexto, a Itália desempenha um papel central no ICOS e na Europa, graças ao investimento em vários locais de medição (como o site de Florença, que acaba de ser adicionado à rede, que permitirá o monitoramento das emissões da cidade produzidas por atividades humanas) e em um dos centros temáticos The European Four (Centro Temático Ecossistema). Além disso, com a ilha de Lampedusa, a Itália possui a única localização da rede ICOS que abrange todos os componentes (atmosfera, oceanos e ecossistemas).