Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Anthony Dillon, meu pai não me pediu para acabar com a vida dele – pessoal

“Meu pai não me pediu para pôr fim à vida dele. Houve um mal-entendido em torno deste caso. Hoje ele está bem, só disse que se um dia não aguentar, vai querer recorrer à possibilidade da eutanásia, não do sofrimento.” como ele Anthony DillonFilho de uma lenda do cinema como Alan Delon – Convidado exclusivo no sábado 1 de outubro no Verissimo – Explica rumores na imprensa internacional sobre o desejo de seu pai de acabar com sua vida. Edição editorial na França com sua autobiografia Dolce Crudele, o ator francês teve força para escrever sua vida e o sofrimento que passou em sua família. Falando sobre o comportamento violento que seu pai teve em relação a ele, ele admite: “Ele agiu assim porque também foi abandonado. O drama de sua vida veio quando ele decidiu ir para a guerra aos 17 anos e sua mãe se alistou, o risco de que ele morra. O sofrimento e a violência dentro dele vêm desse incidente.”
Ele continua: “Quando alguém sofre internamente, pode repetir essa dor para os outros.
À pergunta de Sylvia Tovanen, que lhe pergunta se ela o perdoou, ela respondeu: “Para encontrar o equilíbrio, o perdão é necessário. Devemos amar e tentar entender para não repetir os mesmos erros”. Por fim, parte do livro é dedicada à sua mãe, Natalie, que faleceu no início de 2021 após uma terrível doença. Dillon decidiu retomar os últimos 37 dias de sua vida para fazer um documentário que em breve será lançado: “Ela concordou porque queria deixar um depoimento para as netas. Mas não demonstrei muita doença, aliás, o documentário se chamará ‘A Melhor Maneira de Partir’ Hoje muitos idosos são deixados para trás sozinhos, mas eu queria mostrar o quanto nossa família e amigos estão próximos dela até o fim.”

READ  "Estou saindo depois de acertar o Eurovision na cara" - Corriere.it