Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Lei de Assistência aos Cidadãos Ucranianos e a Criação do Conselho de Educação para Refugiados – conferência de imprensa com a participação da administração do Ministério da Educação e Ciência

O ministro Przemyslaw Czarnik apresentou soluções relacionadas à educação, ensino superior e ciência que foram adotadas pelo Gabinete na Lei de Assistência aos Cidadãos Ucranianos, ou a chamada Lei Especial. O chefe do MEiN indicou que a melhor forma de integrar as crianças ucranianas no sistema educacional polonês é a criação de departamentos preparatórios.

Ter crianças ucranianas que não falam polonês frequentando aulas com crianças polonesas pode colocar uma pressão extra sobre elas. Vamos poupá-los dessa pressão, disse o ministro Przemyslav Ksarnik, as crianças ucranianas já têm o suficiente. O maior benefício para essas crianças será organizar a educação para elas em seu próprio ambiente, entre elas. Em seguida, foram criadas as unidades preparatórias. O Ministro da Educação e Ciência indicou que esses departamentos ensinarão a língua polonesa e se prepararão para as próximas etapas da educação.

O chefe de Main destacou que tal solução prepararia as crianças para duas opções: permanecer na Polônia ou retornar à Ucrânia. Ao mesmo tempo, salientou que os departamentos preparatórios podem funcionar fora das escolas e utilizar infraestruturas não destinadas a fins educativos. Ele citou o Centro de Desenvolvimento da Educação como exemplo. Um departamento preparatório será aberto no Centro de Treinamento ORE em Sulejówek, onde a educação será fornecida às crianças da Ucrânia.

– Para as crianças ucranianas, estamos criando o sistema menos invasivo para garantir assistência educacional – acrescentou o ministro da Educação e Ciência.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros do Médio Oriente e Norte de África, Dariush Piontkovsky, também se referiu à questão da criação de unidades preparatórias: – Sabemos que será difícil encontrar vários milhares de professores que falem ucraniano. Portanto, os departamentos preparatórios ensinarão principalmente professores poloneses em disciplinas específicas, incluindo professores de língua polonesa. As aulas preparatórias também são um lugar para professores ucranianos que sabem pelo menos um pouco de polonês. O vice-ministro Dariusz Piontkovsky observou que eles ajudarão os alunos ucranianos a entender o conteúdo fornecido pelos professores poloneses.

READ  Para purificar e limpar naturalmente o fígado e os rins, aqui está um chá de ervas preparado em casa com 4 ingredientes

O vice-ministro Włodzimierz Bernacki apresentou questões relacionadas à ciência e ao ensino superior incluídos no direito privado. Ele ressaltou que as soluções propostas permitem que os estudantes ucranianos continuem seus estudos na Polônia e que o corpo docente e de pesquisa está trabalhando em universidades e institutos de pesquisa poloneses.

– Estudantes ucranianos e cidadãos residentes na Polônia têm direito a benefícios e benefícios semelhantes aos benefícios sociais dos estudantes poloneses, ou seja, em conexão com bolsas de estudo ou acesso à moradia – disse o vice-ministro Włodzimierz Bernacki. – O direito privado prevê a possibilidade de nomear membros do corpo docente não competitivos ou pesquisadores que trabalham em instituições de pesquisa e ensino da Ucrânia. O vice-ministro acrescentou que eles poderão trabalhar aqui na Polônia.

O secretário de Estado do Ministério da Ciência e Ensino Superior, Włodzimierz Bernacki, disse que o Centro Nacional de Ciência e a Agência Nacional de Intercâmbio Acadêmico também prepararam programas adequados. Os projetos estão relacionados ao financiamento para recrutamento e pesquisa de professores, bem como ao apoio a estudantes ucranianos.

O chefe do MEiN tem enfatizado repetidamente que todas as atividades de assistência não devem atrapalhar o processo educacional nas escolas polonesas. – Nossa tarefa prioritária é garantir que as crianças nas escolas polonesas, apesar da crise humanitária, apesar da guerra na Ucrânia, apesar de já termos aceitado 1.300.000. Ele observou que os refugiados podem continuar sua educação sem interrupção, preparar-se para os exames e ser promovidos para a próxima série ou exames finais.

Durante a conferência, o Ministro da Educação e Ciência Przemyslav Kzarnik também anunciou a nomeação do Conselho de Educação para Refugiados. Os membros do Conselho analisarão a situação do fluxo de refugiados da Ucrânia para a Polônia de forma contínua no contexto da educação, ciência e ensino superior.

READ  “Uma sociedade com muita ciência e pouco coração corre o risco de desabamento” | São Francisco

Leia mais sobre soluções de educação e ensino superior em Design de Direito Privado.