Seduc AM anuncia a chamada de 312 novos concursados

Seduc AM anuncia a chamada de 312 novos concursados

Profissionais aprovados no concurso da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) de 2018, reuniram-se na tarde desta segunda-feira (5), na Assembleia Legislativa, com a deputada Therezinha Ruiz (PSDB) e o deputado Felipe Souza (Patriota), em busca de solução para os 6,7 mil concursados, que segundo o professor Gustavo Raposo, se encontram em situação difícil. Durante a reunião, Therezinha Ruiz recebeu um comunicado do secretário Luiz Castro informando que serão chamados 312 concursados até a próxima sexta-feira (9).

Presidente da Comissão de Educação da Aleam, Therezinha Ruiz informou com base no comunicado que essa é a primeira chamada para nomeação imediata nos cargos. Ela relatou as várias reuniões com a Seduc tratando da convocação dos concursados e se comprometeu, juntamente com Felipe Souza, em levar ao Governo as reivindicações dos profissionais, solicitando também a efetivação de um cronograma das próximas convocações.

O deputado Felipe Souza destacou que realizou reuniões com o secretário Luiz Castro e que as providências foram tomadas pela Seduc e encaminhadas para o Governo. “Há necessidade de profissionais para suprir os cargos na rede estadual e esperamos que todos os aprovados sejam chamados”, salientou o parlamentar. Os concursados apontam a necessidade imediata de pessoal nas escolas, com o fim dos contratos temporários. “Faltam professores, merendeiros, assistentes sociais, psicólogos e outros técnicos-administrativos, na rede estadual da capital e do interior”, afirmam os profissionais.

Situação precária De acordo com o representante dos concursados, professor Gustavo Raposo, a situação está se tornando insustentável, com os profissionais que estão passando fome à espera da convocação para ocupar os cargos a que tem direito. “Muitos são de outros Estados e deixaram seus empregos confiando no anuncio da chamada feita em abril, e estão passando necessidades em Manaus”, denunciou. Gustavo disse que agendou uma reunião e esteve hoje (5) na Casa Civil, na sede do Governo, e não conseguiu falar com as autoridades, depois de várias tentativas. “Não nos informam sobre nada e somente agora estamos sabendo da chamada de 312, sem uma data definida, por isso não temos perspectivas de convocação, que até agora são promessas”, reclamou. Os professores também denunciaram a situação dos merendeiros no interior do Estado, que segundo eles, trabalham em três turnos preparando a refeição de até mil alunos, quando o correto seria fazer a refeição de 250 estudantes.

“São trabalhadores e trabalhadoras que estão adoecendo, devido a exaustiva carga de trabalho”, acusaram. Eles solicitaram a realização de uma nova reunião, que deverá acontecer na próxima semana, com a presença de representantes do Ministério Público Estadual (MPE), do Tribunal de Contas do Estado (TCE), da Seduc e do Governo, para definir a situação com a garantia efetiva de seus direitos.

 

Notícias Relacionadas