Morre aos 80 anos a atriz Yoná Magalhães, vítima de problema cardíaco

Reynaldo Boury, Claudio Cavalcanti, Carlos Manga Jr.

Yoná Magalhães faleceu, aos 80 anos, na manhã desta terça-feira (20), no Rio de Janeiro. A atriz estava internada desde 18 de setembro no CTI da Casa de Saúde São José, no Humaitá, Zona Sul do Rio de Janeiro, com problemas cardíacos. De acordo com boletim médico divulgado pela unidade, a atriz foi submetida a uma cirurgia para corrigir uma insuficiência cardíaca no dia em que foi internada, mas apresentou “complicações pós-operatórias que levaram ao falecimento”. O último trabalho de Yoná na televisão foi na novela “Sangue Bom”, que foi ao em 2013, na TV Globo.

O velório será às 10h desta quarta-feira (21) no Memorial do Carmo, no Caju, e a cerimônia de cremação está prevista para 13h30. “Nos falávamos todos os dias e ela não estava nada bem, já estava bastante debilitada… Mas queria muito viver, tentava reagir. Infelizmente acabou partindo. Estamos todos muito abalados com essa notícia”, lamentou o irmão da atriz, o professor Ricardo Cosme, ao jornal “Extra”. A atriz deixa um filho, Marcos Mendes, de seu casamento com o produtor Luis Augusto Mendes.

Fátima Bernardes lamentou a morte de Yoná em seu programa “Encontro” nesta manhã, ao dar a notícia. “Dá uma desconcertada na gente, fiquei tão triste de ter que dar uma notícia assim de repente. Sempre a via com roupa de ginástica, sempre assim. Passava uma elegância, uma força em tudo o que fazia. Grande atriz”, disse a apresentadora. Muitos famosos e colegas de trabalho lamentaram a perda.

Atriz ingressou na carreira artística para ajudar a família financeiramente

Yoná Magalhães Gonçalves nasceu no dia 7 de agosto de 1935, no bairro do Lins, no Subúrbio do Rio de Janeiro, e entrou para a vida artística para ajudar a família quando o pai ficou desempregado. “Eu tinha que ajudar de alguma maneira, não sabia muito como, queria continuar os meus estudos. Gostava de brincar de teatro, essas coisas que todo mundo faz. Então eu digo: ‘Quem sabe não é por aí, né?’ Fui fazendo pequenas pontas, pequenos papéis, isso em meados da década de 1950, até que consegui um contrato com a Rádio Tupi”.

Depois de passar pela rádio, ela estrelou sua primeira telenovela, convidada por Antônio Leite. No cinema, ela estrelou “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964). Ao longo de sua carreira, a atriz estrelou mais de 40 telenovelas, entre elas “Roque Santeiro”, “Saramandaia”, “A Próxima Vítima” e “Meu Bem, Meu Mal”.