Farinha aumentou 138,99% e reflete na cesta básica de Manaus

Fonte: Portal Amazônia
Foto: Chico Batata/Agecom

Foto: Chico Batata/Agecom

A farinha está no prato de muitos amazonenses, e é justamente ela que continua como a grande vilã da cesta básica de Manaus. O preço da cesta fechou janeiro no valor de R$ 301, 73. A farinha registrou a mesma tendência dos meses anteriores acumulando alta de 138,99% nos últimos 12 meses na capital.

De acordo com o relatório do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgada nesta quarta-feira (6), a cesta composta por 12 produtos, apresentou aumento de 3,95% em relação ao mês de dezembro. Em novembro, o conjunto de itens alimentícios custava R$ 290,27.

Com o aumento, a capital passa a ocupar a sétima colocação dentre as 18 capitais pesquisadas.

A supervisora técnica do escritório regional do Dieese no Amazonas, Alessandra Cadamuru, explicou que a procura pela farinha de mandioca refletiu no preço. “Verificamos que em outros Estados o valor da farinha de mandioca também teve aumento significativo. Por exemplo, em Salvador o aumento foi de 66% em janeiro, em comparativo com o mês anterior”, argumentou.

Alessandra disse que o clima é apontado como principal agente no aumento da farinha de mandioca. “Procuramos os órgãos competentes, como (Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que explicaram que a questão do clima, como chuva no Norte e seca no Nordestem refletiu na produção do produto”, enfatizou.

Produtos

Dos nove produtos pesquisados pelo Diesse somente três apresentaram redução. A farinha (22,59%) foi o produto que apresentou maior alta no mês seguido do arroz (9,71%), do tomate (9,21%), da banana (3,41%), do café (3,37%), do óleo (2,96%), da carne (2,01%), do leite (1,82%) e do açúcar (0,57%). O feijão (-3%) foi o produto que apresentou a maior redução no mês seguido do pão (-1,26%) e da manteiga (-0,47%).

Cesta básica no País

As maiores elevações foram apuradas em Salvador (17,85%), Aracaju (13,59%), Natal (12,48%) e Brasília (11,30%). As menores oscilações ocorreram em Fortaleza (2,19%), Belo Horizonte (3,06%) e Belém (3,29%).

Em janeiro de 2013, São Paulo continuou como a capital onde se apurou o maior valor para a cesta básica (R$ 318,40). Depois, aparecem Vitória (R$ 315,38) e, com valor semelhante, Porto Alegre (R$ 309,33) e Florianópolis (R$ 309,21). Os menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 231,80), João Pessoa (R$ 252,13) e Recife (R$ 257,43).

Notícias Relacionadas