FAB inaugura obras em pistas de pouso em Oiapoque (AP) e em Barcelos (AM)

FAB inaugura obras em pistas de pouso em Oiapoque (AP) e em Barcelos (AM)
5 (100%) 4 votes

FAB inaugura obras em pistas de pouso em Oiapoque (AP) e em Barcelos (AM) (Copy)

A Força Aérea Brasileira (FAB) celebrou, na terça (04) e na quarta-feira (05), a conclusão das reformas das pistas de pouso do município de Oiapoque (AP) e do distrito de Moura, no município de Barcelos (AM). As obras, realizadas pela Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA), foram financiadas pela Secretaria Nacional de Aviação Civil, do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação (SAC-MTPA).

“O objetivo do Comando da Aeronáutica com essas obras é estarmos sempre integrando o nosso país para que todos os brasileiros tenham o acesso seguro e rápido em todas as regiões”, enfatiza o Diretor de Infraestrutura da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar Sérgio de Matos Mello.

O trabalho em Oiapoque, localizado a 600km de Macapá (AP), durou quatro meses. Foi feito o balizamento noturno da pista, realizada a pintura e instalada a cerca para a segurança das operações. De acordo com a Prefeita do município, Maria Orlana, companhias aéreas civis já entraram em contato para operar na nova pista. “Nós ainda temos 130 quilômetros de estrada de chão e, principalmente, na época das chuvas, o acesso se torna muito difícil, então, o voo de novas companhias aéreas vai possibilitar o desenvolvimento do município e, também, o transporte de enfermos com mais qualidade, inclusive, durante a noite”, destaca.

Já o trabalho em Moura durou cerca de 11 meses. A pista foi ampliada de 800m de comprimento por 23m de largura para 1.120m por 30m, o que vai permitir o pouso de aeronaves maiores. Também foi instalada a cerca operacional e refeita a sinalização horizontal. “Em Moura, por exemplo, nós já tivemos a notícia de que mineradoras estão procurando os responsáveis pela obra para fazer o uso da pista, então, simultaneamente, a pista garante pontos para a indução ao desenvolvimento e para o apoio à defesa nacional”, explica o Secretário Nacional de Aviação Civil, Dario Rais Lopes.

Segundo o Chefe da 4ª Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica, Brigadeiro Engenheiro Eliezer de Freitas Cabral, a parceria com a SAC-MTPA é indispensável. “Sem essa parceria não haveria recursos e dificultaria bastante o cumprimento da missão do Comando da Aeronáutica de integração do território nacional. Nós já temos um TED [Termo de Execução Descentralizada] assinado até 2021 que permitirá fazer novas obras”, ressalta. 

Logística

Para a realização das obras foi necessário um grande trabalho de logística por parte da COMARA. “Muitas vezes, para realizarmos as obras nessa região, nós usamos os três modais: aéreo, marítimo e terrestre, pois, só assim, conseguimos construir ou reformar essas pistas”, afirma o Vice-Presidente da COMARA, Coronel Aviador Cleber dos Passos Jorge.

As equipes de trabalho, geralmente, eram trocadas a cada mês, embora algumas pessoas ficavam mais tempo nas localidades dependendo da função que exerciam. No Distrito de Moura, por exemplo, durante o período de realização da obra, o gerente, Tenente Engenheiro Damil Henrique da Rocha Júnior, passou 100 dias no local em três períodos. “A minha função de gerência impacta mais na sede, em Belém, do que aqui mesmo, mas eu vim aqui para visualizar se tudo estava ocorrendo dentro do planejado e sem nenhum problema”, afirmou.

Fonte: FAB

Notícias Relacionadas