DEPOIS DO CARRAPICHO VEM…

Depois do Carrapicho vem...

DEPOIS DO CARRAPICHO VEM…

 

Meu nome é Diego, tenho 29 anos e a única banda amazonense que vi ganhar o Brasil foi o Carrapicho!

Estávamos ali, do meio pro fim da década de 90, não existia o Facebook, internet era…o que era mesmo internet? A TV ainda ditava tendências e a Amazônia Celular já começava a comercializar o Diga, sim, o celular de cartãozinho. Tv a cabo era coisa para poucos e estávamos totalmente entregues a “rica” programação da Tv aberta. Numa dessas me aparece num domingo legal da vida uma galera cantando a cultura do nosso estado, a Banda Carrapicho, desenrolando esse dois pra lá, dois pra cá Brasil afora. Na época também achava que eu estava diante de nossa maior expressão cultural, hoje acho que é delimitar demais a cultura de um estado como o nosso, mas isso é assunto pra uma outra hora, a questão aqui é outra e vou lhes fazer uma pergunta, caros amigos: Que motivo explica a pouca representatividade do nosso estado no âmbito musical desse país? Não me venham falar em distâncias, por favor!

Pensando rapidamente sobre a música em nosso estado, acho que posso contar no dedo os artistas que tiveram algum sucesso em nível nacional e ainda assim, coisas bem breves, nada que os garanta nos playbacks do Criança Esperança e Show da Virada. Fora o Carrapicho, também ouvi coisas como os bons momentos de Teixeira de Manaus, Chico da Silva também teve destaque com seus sambas de sucesso nos anos 70 e 80, ainda teve parcerias com outros sambistas de renome no cenário nacional e posteriormente retornou as manchetes com a música “Vermelho” para o Boi Garantido. Fora os exemplos citados, não me ocorre mais nenhum nome, óbvio que tiveram outros artistas, bandas que já fizeram shows até fora do país, mas sem alguma repercussão nos principais veículos de comunicação. O que estaria faltando para um artista da música amazonense alcançar patamares maiores? Acredito que qualidade não falta, temos bons artistas em vários estilos e temos compositores que não ficam devendo nada a esses caras que escrevem “Tchu Tcha Tcha”, talvez nos faça falta um pouco mais da atenção do público local, que precisa buscar mais os artistas e bandas daqui. Temos como exemplo a música baiana, onde o público sempre se fez presente em shows de bandas locais e certamente foram os maiores divulgadores dos ritmos de lá, também podemos citar como exemplo o tecnobrega do Pará, estilo musical muito forte naquele estado e sempre foi muito defendido e divulgado por seu público. Quanto as oportunidades, elas já foram mais escassas, hoje o artista local tem mais espaço para mostrar seu trabalho.

Enquanto as coisas não acontecem para nossos artistas, ficamos aqui, pagando altos valores para shows de artistas de fora e “economizando” 15 reais ao não comprar um CD ou deixar de ir a um show de um artista local. Depois a mesma pergunta que fiz aqui sobre a pouca representatividade de nosso estado no cenário nacional será feita pelo próprio público. Então ficamos assim, esperando que alguém do sudeste descubra algum novo talento em nosso estado, parece que só eles podem fazer isso.

 

 

Por Ds Alves

 

___________________________________________________________________________

Ds Alves é publicitário, especialista em marketing empresarial, cursa MBA em gerenciamento de projetos, vocalista da banda de pop rock Caixa Preta, barcelense de coração, por opção.

Notícias Relacionadas