Capital e municípios do interior do Amazonas são beneficiados pelo FPS com projetos que ultrapassam R$ 4 milhões

fpn2
Instituições sociais de Manaus e mais 11 cidades do interior do Amazonas tiveram projetos aprovados pelo Governo do Estado, por meio do Fundo de Promoção Social (FPS), durante 1ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo do FPS de 2014, realizada nesta sexta-feira, dia 20 de junho, na sede do Governo, bairro Compensa, zona oeste da cidade. A reunião foi presidida pela presidente de honra do Fundo de Promoção Social e primeira-dama do Amazonas, Edilene Melo.

Com a aprovação, o Governo irá empenhar R$ 4.492.195,50 para investimentos em 27 projetos nas áreas de atenção social, geração de emprego e renda e melhoria da qualidade de vida. Desse total, 13 projetos são para instituições de Manaus. Os outros 14 projetos aprovados irão atender instituições de Manicoré, Manacapuru, Tefé, São Gabriel da Cachoeira, Itacoatiara, Beruri, Presidente Figueiredo, Maués, Careiro da Várzea, Careiro Castanho e Rio Preto da Eva.

Um dos principais projetos contempla a Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE) de Tefé, onde será construída uma quadra poliesportiva com palco na Escola Especial Carlos Eduardo de Souza Braga, com 730,48 metros quadrados de área construída. O valor do projeto é de cerca de R$ 585 mil e visa estimular a prática de esporte, atividades de lazer e cultura para as crianças especiais atendidas pela instituição no município de Tefé.

As propostas aprovadas durante a reunião do Conselho do FPS serão agora formalizadas junto às instituições propositoras. Posteriormente serão realizadas as entregas dos equipamentos e materiais solicitados.

Seguindo orientação da primeira-dama Edilene Melo, a equipe técnica do Governo do Estado trabalhará para empenhar os recursos até o próximo dia 30 de junho.
A presidente de honra do Fundo de Promoção Social do Amazonas ressaltou, ainda, a nova proposta de viabilizar acompanhamento técnico, via FPS, para as instituições filantrópicas que não conseguem se credenciar por falta de documentação ou assessoria técnica. “Nós queremos ajudar algumas instituições que não participam dos editais por falta de assessoria. Já fazemos muito, mas acredito que podemos fazer mais”, afirma Edilene Melo.

Também será realizada uma nova reunião, no prazo de dois meses a partir da data da aprovação dos 27 projetos, para acompanhamento bem como prestação de contas e avaliações quantitativas e qualitativas desses projetos já aprovados.

Notícias Relacionadas