Barcelos ganha versão do ‘Justiça Itinerante’

A iniciativa, por determinação da presidência do TJAM, foi realizada pelo magistrado Fábio Alfaia

Juiz eleitoral Barcelos9

Dando segmento ao seu plano de priorização do 1º Grau, a presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargadora Graça Figueiredo, deu todo o suporte para que o magistrado Fábio Lopes Alfaia, da comarca de Barcelos, realizasse de 15 a 18 de maio a sua versão do “Justiça Itinerante”, que busca levar as atividades jurisdicional do Estado aos lugares mais afastados e necessitados.

Em parceria com o Cartório Eleitoral da 18ª Zona, Secretaria Municipal de Ação Social, Câmara Municipal e Prefeitura Municipal de Barcelos, o magistrado juntamente com a servidora Cíntia de Souza, se fizeram presentes nas comunidades de Moura, Carvoeiro e Vila Nova, existentes desde a época da Amazônia Colonial e distantes 12 horas da comarca de Barcelos.

Em seu relatório, o juiz Fábio Alfaia diz que os atendimentos em Moura iniciaram por volta das 8h e terminaram às 20h30, com a celebração de oito casamentos. Em seguida, a equipe se deslocou para a comunidade de Carvoeiro onde foram realizados os atendimentos do judiciário e da equipe psicossocial, finalizando com Vila Nova.

Justica intinerante em BarcelosAo todo, foram feitas quatro petições cíveis, duas notícias crime, audiências públicas, 14 casamentos civis e 22 registros de nascimento. “Foram recebidas diversas petições de natureza judicial, realizados atos de registro de nascimento e de óbito, além de habilitação para casamento civil, com cerimônia coletiva em casa comunidade. Houveram, ainda, alistamentos eleitorais, bem como foi realizada a regularização dos comunitários nos programas sociais da esfera federal”, explica o magistrado.

Ele relata, ainda, que a receptividade ribeirinha foi contagiante. “Segundo Pedro Fernandes, presidente da comunidade de Carvoeiro, essa foi a primeira vez que tal ação do Poder Judiciário chegou até o local”, finaliza.

 

Com informações: DIVISÃO DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO DO TJAM